Nota de resposta ao blog da Chapa 3 do DCE da PUC/RS

2012.11.14 - Porto Alegre/RS/Brasil - Locais de votação para o DCE da PUC-RS. Foto: Ramiro Furquim/Sul21.com.br

2012.11.14 – Porto Alegre/RS/Brasil – Locais de votação para o DCE da PUC-RS. Foto: Ramiro Furquim/Sul21.com.br

A estudante Viviane Alves Menengussi encaminhou e-mail, solicitando Direito de Resposta, em nome da Chapa 3 que concorre ao DCE da PUC/RS, nas eleições de 2017, o que é prontamente concedido, como é de praxe deste blog, ressaltando que as opiniões aqui publicadas nessa postagem não refletem a opinião do autor.

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO ÀS/AOS ESTUDANTES DA PUCRS

A Chapa 3 – Mãos Dadas, vem por meio desta manifestar a insatisfação e indignação com o andamento do pleito eleitoral do DCE deste ano, bem como esclarecer os fatos sobre a decisão judicial que adiou a eleição por um dia.
Primeiro é preciso dizer que diuturnamente, as chapas 1 – “Mais vale o que será” e 2 – “Eclipse” atacam nossas companheiras e nossos companheiros física e psicologicamente, ao invés de estabelecerem o diálogo com as/os estudantes para disputarem seus projetos e seus ideais políticos para o movimento estudantil.
Ontem, segunda-feira, não foi diferente. As duas chapas citadas SE APROVEITARAM da mudança de data da eleição pela Justiça, para nos perseguir pelo campus, distorcendo a verdade dos fatos, roubando nossas faixas e atacando psicologicamente as/os colegas com câmeras de celular, megafones, encurralando-as e impedindo a livre circulação que nós, estudantes da universidade, temos assegurado. NADA DE NOVO. Desde o início da campanha é assim que tem sido.
Em contrapartida, a Comissão Eleitoral finge que não vê nada disso. Alinhada aos interesses da Reitoria da Universidade, posiciona-se de maneira evasiva, completamente parcial aos interesses da PUCRS, fazendo vista grossa aos crimes eleitorais, ferindo o Estatuto do DCE e a autonomia do movimento estudantil garantida pela Lei do Grêmio Livre (Lei nº 7.398/85).
Segundo, é importante esclarecer que as urnas não foram abertas ontem por decisão judicial porque conforme consta no Estatuto do DCE, a Assembleia Geral de Estudantes, por ser soberana, é a única capaz de estabelecer as datas do período eleitoral, NÃO PODENDO a Comissão Eleitoral, mudar a data a revelia das instâncias previstas estatuariamente. Soma-se a isso o fato de a Chapa 2 – Eclipse, num ato de má-fé, roubou nossas faixas durante a semana, não devolveram, e até agora não foi penalizada da forma devida.
Por isso, nosso grito é de denúncia. Nosso grito é de inconformidade e de disposição para lutar. Lutar por um DCE combativo, transparente, democrático, participativo e comprometido com os interesses e demandas das/dos estudantes.
Acreditamos que a pergunta que precisa ser feita por você, estudante, é: O QUE EU QUERO PARA O DCE?
Se você é contra um movimento estudantil que faz uso de discurso de perseguição política, apartidarismo cego, homogeneidade de pensamento, nada propositivo, construído em cima de calúnias e não de propostas, NÃO vote na Chapa 1. Se você é contra um movimento estudantil onde nossas conquistas históricas sejam entregues a empresa e a grupos político-partidários com interesses contrários aos interesses da classe trabalhadora, das mulheres, dos negros e negras, das/dos Prounistas, bolsistas, LGBTTs, etc., que usam os recursos vindos do nosso bolso para financiar suas demandas individuais e privadas, que desviam mais de R$ 100.000,00 da UEE/RS e que se apoiam no suposto apartidarismo para esconder o PSDB, o PSL, o MEIO, o MBL e outros grupos que dão o suporte político e econômico para vender nossos direitos, então NÃO vote na Chapa 2.
Agora, se você acredita que um movimento estudantil se constrói com propostas, que a participação, a democracia, a assistência e permanência se constroem dentro e fora da universidade, com propostas claras, com ampla participação de grupos de diferentes posicionamentos, de estudantes comprometidos em construir com as/os estudantes, garantindo Orçamento Participativo, Tri gratuito, Centro de Referência do DCE, combate à terceirização do Estacionamento e do R.U., defesa das bolsas científicas, defesa das licenciaturas, apoio, incentivo e realização de atividades culturais e desportivas, sua alternativa é a Chapa 3 – MÃOS DADAS.
Queremos uma campanha de propostas, não de ataques. Queremos a garantia de que a soberania, autonomia e regimento do movimento estudantil da PUCRS sejam respeitados por todas/os as/os envolvidos. Não deixem que as sombras de um eclipse escureçam a verdade. Não deixem que os ataques daquilo que será e nunca foi sufoquem a tua voz e a tua força. Venha, de MÃOS DADAS, lutar pelo DCE, pelo movimento estudantil, pela DEMOCRACIA, por todas/todos!!!

Eleições do DCE da PUC/RS: PSOL, PT e PCR fizeram uma patuscada desnecessária

ATA DCE

Ata da reunião realizada no dia 27/03/2017.

Como não poderia deixar de ser, mais uma vez as eleições para o DCE da PUC/RS começaram recheadas de polêmicas.

Sem nenhuma justificativa de maior relevância, a Chapa 3, que é representada por membros do PSOL, PT e do PCR, ingressaram como ação na justiça pra impedir as eleições que ocorreriam no dia de hoje e de amanhã (10 e 11), conforme acordado por todas as chapas, mas que estava anteriormente agendadas para os dias 11 e 12, de acordo com o previamente estabelecido na Assembléia Geral da entidade em 17/11/2016.

Vislumbrando uma maior lisura do pleito, algumas das chapas requisitaram a instalação de urnas eletrônicas para a realização das eleições deste ano, o que foi atendido pelo TRE, sendo que o Tribunal informou que poderia disponibilizar apenas nos dias 10 e 11 de abril.

No dia 27/03/2017, foi feita uma reunião extraordinária onde todas as chapas concordaram em antecipar a eleição em UM DIA para que pudesse ser feita a eleição com urnas eletrônicas e não com cédulas de papel, inclusive com a assinatura e concordância de um dos representantes da Chapa 3 autores da ação judicial.

Na data de hoje, as vésperas da eleição, membros da Chapa 3 ingressaram com medida cautelar requerendo a suspensão das eleições e a realização das eleições no dia 11 e 12/04, com cédulas de papel, obtendo provimento judicial para tal ato.

A mim, causa estranheza alguns pontos nessa história.

Qual a necessidade de se ingressar com uma ação judicial, NO DIA ELEIÇÃO, para evitar o USO DA URNA ELETRÔNICA?

Qual o motivo pelo qual os membros da CHAPA 3 deixaram para ingressar com a presente ação somente NO DIA DA ELEIÇÃO, sendo que tiveram mais de 10 dias para isso?

Como uma pessoa que assina um documento se dizendo favorável a determinada situação, ingressa na justiça para derrubar aquilo que ela mesmo concordou anteriormente?

Absolutamente desproporcional e extemporânea essa atitude.

De uma eleição que poderia ser histórica pela lisura, pela quase impossibilidade de se fraudar um voto de urna eletrônica, ainda mais de uma eleição de DCE, para as sempre suspeitas cédulas de papel, que são campeãs de fraudes e ilações maliciosas em qualquer eleição.

Absolutamente lamentável.

_________________________________________

Vejamos a decisão liminar 

Vistos. Trata-se de Pedido de Liminar em Ação de Obrigação de Não Fazer, ajuizada por estudantes da PUCRS, devidamente qualificados, em face do Diretório Central de Estudantes da PUCRS. Afirmam e comprovam que foi objeto de AG realizada em data de 17/11/2016, a data da eleição para aquele diretório, bem como a eleição dos membros da Comissão Eleitoral. Em data de 31/03/2017 as datas foram alteradas e a votação transferida para o dia de hoje e amanhã (10 e 11), quando em AG ficou definida data de 11 e 12/04. A transferência, segundo relatado e consta da explicação publicada, deve-se ao fato de o TRE não poder emprestar urnas eletrônicas nos dias 11 e 12/04. Breve relato. Decido. Tem razão os autores. A AG, segundo , Estatuto Social juntado, é soberana e é sua atribuição, conforme disposto no artigo 14, inciso IV, ¿Escolher a Comissão Eleitoral e datas eleitorais, respeitadas as diretrizes estatutárias. Dispõe, ainda, o parágrafo segundo do artigo 34 do mesmo estatuto, que ¿Não havendo a disponibilização de urna eletrônica pelos órgãos oficiais, serão utilizados os meios tradicionais de votação.¿ No caso em tela, no dia 12/04, feriado na Justiça Federal, não haveria possibilidade de empréstimo e uso de urna eletrônica; entretanto, esse fato, por si só, não é impeditivo para a realização das eleições nas datas prevista em Assembleia Geral, pois o próprio estatuto apresenta a solução. Diante disso DEFIRO o pedido, forma liminar, e determino a SUSPENSÂO do início do processo eleitoral 2017 do DCE/PUCRS, definido forma unilateral, pela Comissão Eleitoral, para o dia de hoje, devendo ser respeitadas as datas definidas em AG, na forma do previsto no § 2° do art. 34 do Estatuto Social. Expeça-se mandado. Após distribua-se.

Processo 001/1.17.0039833-5

Deixem o Bolsonaro falar.

Bolsonaro e Cosplay do Hitler

Sou terminantemente contra a censura prévia. Se alguém extrapolar do seu direito à liberdade de expressão, que seja punido com os rigores da lei, e olhe lá, pois acho extremamente chato essa história de sair processando tudo e todos por qualquer coisa que seja dita, por mais absurda que possa parecer.

Bolsonaro, que se lança candidato à Presidência, é um caso clássico de verborragia no qual a esquerda se indigna completamente, e com razão, por seus comentários racistas, misóginos, homofóbicos, etc., etc., etc.
Eu me senti extremamente incomodado com o fato de um clube JUDAICO receber um cidadão que destila discursos xenofóbicos contra determinados grupos étnicos e ser aplaudido ao mencionar que “quilombolas pesam em arrobas, como gado, e que “não servem para nada”.

Não duvido que Hitler tenha algum discurso com fala semelhante sobre os judeus.

Mas antes de tentar calar o “mito”, deixem ele falar. Vai morrer pela boca.

As intenções de voto do Bolsonaro, nas pesquisas mais recentes, e o que ele efetivamente fará nas urnas, acredito que ficará entre 10% e 15% dos votos, e está dentro do espectro natural que a ultradireita sempre teve.

Esses votos, historicamente, estavam escondidos no PSDB, mas com a direita fascista e estridente saindo do armário e perdendo a vergonha na cara,  o maior prejudicado nessa história não é o PT e nem a esquerda. É o PSDB.

Explico.

Baseado nas atuais pesquisas e em projeções, Lula sendo candidato, naturalmente, a esquerda irá arrancar com seus, 35%, 40% dos votos.

Ciro Gomes, que já declara ser candidato mesmo com Lula, deve ficar na casa de ¨6%.

Luciana Genro e demais nanicos de esquerda em torno de 2%.

Então, dentro desse cenário, a esquerda, centro-esquerda teria, numa análise grosseira, em torno de 43 a 48% dos votos no 1º turno.

Marina, ao centro, deverá manter os seus 20% da eleição anterior.

O PSB deverá lançar Beto Albuquerque ou até mesmo o Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que pode vir a sair do PSDB caso encontre dificuldades em sua candidatura em seu atual partido.

Já a direita terá um amontoado de candidatos e é aí que o Bolsonaro pode fazer com que todos morram abraçados.

Roberto Justus já se lançou candidato.

O dono da Riachuelo, Flávio Rocha, também já se lançou candidato.

O Senador Ronaldo Caiado, do DEM, já declarou querer ser candidato.

O PSDB está entre Alckmin e o campeão do marketing, João Dória, que se acabar sendo candidato à presidência, vai fragmentar ainda mais o cenário na direita e poderá forçar um panorama ainda mais dramático em que todos acabem morrendo abraçados.

E ele, o “mito”, que provavelmente vai manter os seus 10/15%, podendo fazer um strike no PSDB e na direita.

O pior dos mundos, para o PSDB, é um cenário com as candidaturas do Bolsonaro, Alckmin, Dória, Justus, Caiado e Flávio Rocha, presidente da Riachuelo, sendo que seu candidato deverá fazer a metade dos votos de uma fatia do eleitorado no qual praticamente grande parte já está comprometida e é fiel ao Bolsonaro e a outra metade terá que ser disputada a tapa com postulantes de poderio econômico, o que poderá fragmentar e devastar o campo da direita, abrindo caminho para um segundo turno entre Lula x Marina ou, até mesmo, uma vitória do Lula no 1º turno.

Diante disso, não duvido que a própria mídia comece a explodir a candidatura do Bolsonaro logo logo. Anotem.

Evidentemente que tudo depende da “República de Curitiba” não condenar o Lula. Se absolver, não precisa nem de eleição.

Mas até lá tem muita água para rolar. Cenários podem mudar, candidatura podem aparecer, desaparecer e por aí vai.

Camaradas: combatam o Bolsonaro, os Bolsominions, os fascistas, mas fiquem tranquilos que a candidatura desse daí será uma benção para a esquerda. Não descuidem, só o mantenham sobre controle, que tenho certeza que ele mesmo se mata pela boca e ficará restrito ao seu círculo de viúvas da ditadura que fazem barulho, mas só ficam no barulho mesmo.

A “Medalha do Mérito Farroupilha”: Uma falsa polêmica em torno do Jean Wyllys

Discurso do Deputado na cerimônia da entrega da medalha.

Discurso do Deputado na cerimônia da entrega da medalha.

“Racismo preconceito e discriminação em geral, é uma burrice coletiva sem explicação”, já dizia Gabriel O Pensador, em seu hit Lavagem Cerebral, no início da década de 90. Quase 30 anos se passaram, mas a letra continua atual.

E é justamente isso que ocorre em relação ao ódio contra o Jean Wyllys: uma burrice coletiva sem explicação!

Dito isso, vale recapitular a trajetória do parlamentar do Psol, na vida pública. De BBB a Deputado Federal e de como esse preconceito o acompanha durante essa sua trajetória.

Na edição de 2005 do Big Brother Brasil, a Rede Globo de Televisão colocou um homossexual assumido no programa, o até então desconhecido Jean, que acabou vencendo o programa com todos os méritos. Mas ali, onde Jean começou sua “vida pública”, foi também o local em preconceito correu solto contra ele, por um grupo de participantes do programa.

Em razão disso, até acho que serviu para romper um pouquinho com o preconceito contra os gays, que acabaram se solidarizando com ele. Tanto que foi o vencedor. Ponto para o Jean.

Eu que não assisto BBB (não por qualquer tipo de valoração moral ou algo do gênero), lembro que torci como nunca para Jean vencer uma das provas do líder e mandar para o “paredão” um outro participante, que lhe perseguia nitidamente pelo fato de ser gay por pura homofobia.

Mas, por incrível que possa parecer, foi em um BBB que comecei a me dar conta do preconceito que os homossexuais sofriam em razão do que acontecia com o Jean naquela casa, em certo momento do programa.

Passaram-se os anos e Jean, ex-BBB, vira Jean Wyllys, um Deputado Federal eleito pelo Rio de Janeiro. O primeiro Deputado assumidamente homossexual do país, apesar de acreditar não ser nem de longe o primeiro gay, de fato, na história do parlamento.

A partir desse momento começa o festival de calúnias e difamações.

Jean Wyllys, ao lado da Deputada Federal Maria do Rosário são, sem sombra de dúvidas, as duas pessoas mais atacadas pelos ignorantes nas mídias sociais, sendo na sua totalidade por notícias mentirosas nas quais uma massa de ignorantes acaba acreditando.

E foi nesse contexto que a maior falsa polêmica dos últimos tempos acabou acontecendo no Rio Grande do Sul, nas últimas semanas.

No dia 28 de março de 2017, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, através de proposição da Deputada Estadual Manuela D’ávila, concedeu a Medalha do Mérito Farroupilha do Jean Wyllys, o que originou uma revolta de parlamentares de oposição ao partido da Manuela e do Jean, que questionaram o que o parlamentar do Psol teria feito pelo Rio Grande do Sul para merecer tal prêmio.

Só o fato de ter ocorrido essa polêmica toda, com ampla divulgação da imprensa local, já demonstra como o problema da homofobia é latente e precisa ser combatido.

Anteriormente, essa mesma Medalha do Mérito Farroupilha foi entregue ao Pastor Valdomiro Santiago, da Igreja Mundial, ao Bispo RR Soares e até para a Ana Maria Braga, não gerando qualquer tipo de repercussão negativa, seja entre os parlamentares, seja entre os veículos de comunicação da imprensa gaúcha.

Afinal, o que será que a Ana Maria Braga e seu Louro José fizeram pelo Rio Grande do Sul?

O Deputado Estadual Marcel Van Hatten (PP-RS), em entrevista ao Jornal Zero Hora, destilou todo o seu preconceito chegando a dizer que estava “aguardando para ver se realmente o deputado Jean Wyllys vai receber a medalha”, porque achava “um constrangimento entregar para outra pessoa depois que o Wyllys receber.

Um advogado chegou a ingressar, em causa própria, com uma Ação Popular para evitar que a Deputada Manuela entregasse a tal da medalha para o Jean Wyllys, que felizmente teve o pedido liminar rejeitado pelo Judiciário Gaúcho.

Essas reações homofóbicas chegaram às redes sociais da Deputada, que gravou um vídeo resposta muito bem elaborado, rebatendo as críticas ofensivas e ignorantes a altura, constrangendo os homofóbicos de plantão.

https://www.facebook.com/manueladavila/videos/2039798036068646/

Jean Wyllys é um parlamentar que não atua apenas defendendo a causa LGBT. Atua pelos direitos das mães e seus bebês em salas de aula, por políticas públicas no combate ao HIV, contra quem defende a tortura, pela dignidade das prostitutas, pelas minorias étnicas e religiosas, pela laicidade do Estado, enfim. Jean Wyllys atua em todas essas áreas e é reconhecido nacional e internacionalmente por isso e, para desespero dos separatistas gaúchos, o Rio Grande do Sul ainda faz parte do Brasil e todas aquelas bandeiras de luta defendidas pelo deputado afetam, igualmente, o povo do Rio Grande do Sul.

Só para exemplificar, Porto Alegre é a campeã nacional em casos de HIV e o Jean Wyllys é atua fortemente nessa área, o que desconstrói qualquer argumento de que o parlamentar “não fez nada pelo Rio Grande do Sul” para receber a “Medalha do Mérito Farroupilha”.

Jean Wyllys merece todo nosso apoio, não apenas como parlamentar, mas como ser humano. Sofreu preconceito por ter sido pobre. Sofreu preconceito por ser nordestino. Sofreu preconceito por ser negro. Sofre preconceito por ser gay. Sofre por ser defensor dos Direitos Humanos.

O ódio que as pessoas possuem pelo Jean Wyllys é injustificável por vários aspectos. Existem outros parlamentares que atuam também na defesa dos direitos humanos e não suportam nem 1% dessa intolerância. A únicas explicações possíveis para essa perseguição são, sem qualquer margem para dúvida: racismo, preconceito, homofobia e, evidentemente, burrice mesmo, patrocinados pelos fundamentalistas religiosos e bolsominions que, graças a sua capilaridade, propagam inúmeras mentiras através de notícias falsas, memes de internet e etc., fazendo com que alguns incautos acreditem nessas bobagens criminosas.

Como diria o Gabriel, só há um jeito para essa gente: uma espécie lavagem cerebral.

E olhe lá.

Ao contrário do que você pensa, o principal problema do Brasil não é a corrupção.

fora-dilma3“Lava-Jato”, “Garotinho”, “Sérgio Cabral”, “Sérgio Moro”, “República do Paraná” e etc.

Todo mundo que acompanha a grande imprensa conhece esses nomes na ponta da língua, dando a sensação que a corrupção é o grande mal que paira sobre o país.

Mas na verdade, se a corrupção não deixa de ser um problema, ela não é o maior de todos. Existem outros desvios que causam um prejuízo ainda maior as contas públicas do Brasil, mas que são totalmente esquecidos pela grande mídia.

Vamos aos dados:

CORRUPÇÃO

De acordo com dados da insuspeita FIESP, estima-se que no Brasil a corrupção consuma, aproximadamente, cerca de 70 bilhões por ano dos cofres públicos, em valores de 2013, em todas as esferas de poder.

http://www.cartacapital.com.br/economia/sonegacao-de-impostos-e-sete-vezes-maior-que-a-corrupcao-9109.html

Veja bem, 70 bilhões.

SONEGAÇÃO FISCAL

Reportagem da BBC apont que o Brasil deixa de arrecadar, aproximadamente, R$ 500 bilhões por ano por conta da sonegação fiscal.

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/04/150415_brasil_zelotes_evade_fd

 

ISENÇÕES FISCAIS

Reportagem do Jornal do Comércio aponta que as 71 mil pessoas mais ricas do Brasil somaram quase R$ 196 bilhões isentos de IR. A maior parte (R$ 160 bilhões) tem origem em declarações de recebedores de lucros e dividendos.

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/nacional/noticia/2016/01/10/pais-deixa-de-arrecadar-r-196-bilhoes-com-isencoes-de-tributos-aos-mais-ricos-216052.php

Veja bem: só em “Bolsa-Riquinho”, o Brasil deixou de arrecadar o equivalente à previsão de déficit do orçamento deste ano, cerca de R$ 180 bilhões, incluindo aí a conta do golpe, já que a previsão de déficit original era de R$ 80 bilhões.
JUROS DA DÍVIDA PÚBLICA

Só em 2015, o pagamento de juros e amortização dívida pública alcançou a marca de R$ 962.210.391.323,00. Ou seja, quase R$ 1 TRILHÃO DE REAIS para sustentar agiotagem do mercado financeiro.

Veja abaixo.

EXPLICAÇÃO SOBRE O GRÁFICO DO ORÇAMENTO ELABORADO PELA AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA

CONCLUSÃO

Aqui poderia incluir o famoso “Bolsa Dondoca”, que é o valor pago à filhas solteiras de funcionários públicos, que consomem cerca de R$ 4 bilhões por ano dos cofres públicos, além de outros gastos bilionários com a Rede Globo e outros veículos da grande mídia.

Mas vamos aos números frios: são quase 2 TRILHÕES anuais no ralo com isenções fiscais, sonegação, juros da dívida pública e etc, sendo que a corrupção leva “apenas” 70 Bilhões.

E por qual motivo a corrupção é amplamente divulgada, propagada, noticiada, crucificada, enquanto um prejuízo infinitamente superior a qualquer roubalheira não merece espaço e críticas na grande imprensa?

Por qual motivo não se questiona esse gasto monstruoso para sustentar algumas famílias bilionárias neste país, enquanto que  somos martelados diariamente com justificativas para cortes em saúde, previdência, bolsa-família e etc, nos quais os valores não chegam nem perto do valor pago com juros da dívida?

A resposta está na própria pergunta.

Após um ano, nada aconteceu com os militantes do PSOL/Juntos que agrediram dissidentes.

Agressão

Frame da emboscada.

É conhecido o ditado que alerta sobre como uma mentira contada diversas vezes “torna-se” uma verdade. A postagem de hoje refere-se diretamente a tal ditado. No dia 01/08/2016, houve a (des) comemoração de um ano de uma das postagens mais visualizadas do Sul21 em 2015: a que relata a emboscada que militantes do PSOL articularam contra dissidentes do partido na madrugada de 31 de julho para 01 de agosto do ano passado. Da mentira que tornou-se verdade para alguns: de um lado, agressores recebendo promoção e troféu por parte do partido; de outro, o apontar de dedos e culpabilização das vítimas por parte deste mesmo partido.

Relembre aqui: http://blogdothales.sul21.com.br/2015/08/imagens-mostram-integrantes-do-psol-agredindo-dissidentes-do-partido-na-saida-de-festa-no-dce-da-ufrgs/

Assim que fiz a publicação sobre a emboscada no em 2015, recebi várias mensagens relatando práticas semelhantes em outros Estados do Brasil, bem como de mulheres que, após o fato ocorrido, decidiram romper com o Juntos e relataram diversas situações de machismo nesse grupo.

Em meio a revelações sobre as manobras e práticas sujas de Eduardo Cunha, me pergunto como um partido que, inclusive tenho certa admiração por algumas figuras, pode admitir a reprodução de velhas práticas da direita golpista?

Como acusar o Pedro Paulo, candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro pelo PMDB no Rio de Janeiro, de ter agredido sua esposa, sendo que nas instâncias partidárias do PSOL, estes agressores continuam circulan livres, leves e soltos?

O que aconteceu depois da emboscada?

Em agosto, houve a emboscada e sua denúncia. Após isso, os militantes do Barricadas (organização que sofreu a agressão do PSOL) foram obrigados a seguir compartilhando os mesmos ambientes que seus agressores: na PUCRS, na UFRGS e nos demais espaços de atuação.

Luciana Genro - marcado

Agressores na presença da líder nas pesquisas em Porto Alegre, Luciana Genro. Direitos Humanos?

Logo no mês de agosto, é válido lembrar que o DCE da UFRGS (que tinha membros diretamente ligados à emboscada, como G.F e R.A) não fez nada frente o ocorrido. A gestão, composta por cinco organizações políticas (Juntos/PSOL, Vamos à Luta/PSOL, Contestação/PSOL, Alicerce/PSOL e Primavera/PSTU) não tomou sequer um posicionamento de expulsão, ou, minimamente, afastamento – pelo contrário: seguindo o exemplo da nota vexatória do Juntos sobre os acontecimentos, ainda culpabilizaram as vítimas pela denúncia feita. A vereadora Fernanda Melchionna, Juntos/PSOL, que ainda preside a coordenação de Direitos Humanos da Câmara, sequer foi capaz de responder sobre as ações fascistas que membros de sua corrente, MES, protagonizaram, o que faz-me pensar sobre o quão parcial é o discurso de direitos humanos para os lados do PSOL.

Ceia de premiação por parte do PSOL

Anistia internacional - marcado

G.F no Rio de Janeiro. Premiado por agressão?

À mesma época, começou a “cerimônia” de premiação dos militantes envolvidos na emboscada. G.F (aquele que nos prints dizia que sequer estava no DCE na hora da briga e que na hora da emboscada ele só chegou para ajudar – dando um chute na cabeça de Alexandre que já estava jogado ao chão) foi promovido para militar no Rio de Janeiro, cidade mais importante para o PSOL na disputa das eleições.

Na PUCRS, T.L, que permanece na assessoria da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, fazendo falas pelo PSOL e pelo Juntos em espaços como Conselhos de Entidades de Base (CEBs). Na UFRGS, em meio a processo eleitoral de DCE, R.A sempre esteve próximo à Angel Duran, uma das militantes do Barricadas que também sofreu a emboscada que ele participou. E, curiosamente, nessa mesma dinâmica, ele seguia sempre escoltado por outras mulheres, como uma hoje pré-candidata a vereadora pelo PSOL/Juntos com o eixo na luta das mulheres.

Um tanto contraditório.

Natal marcadoSeguindo o Facebook de Melchionna, enquanto vereadora e presidente da Comissão de Direitos Humanos, mais um choque: no Natal, dirigentes do MES (corrente do PSOL que o Juntos faz parte), dentre eles Bernardo Correa, Fernanda Melchionna e Rodolfo Mohr, “ceando” com os agressores R.A e F.B.

E até então nenhuma resposta da tal instaurada Comissão de Ética do PSOL frente os ocorridos – não houve expulsão dos filiados, não houve afastamento, não houve nada além da ceia de natal com a direção do MES – mesma direção que também nunca pronunciou-se sobre uma grave agressão por divergências políticas.

Agressores e apoiadores do fascismo de um lado, vítimas de outro

No início do ano, mais uma vez, agredidos e agressores são colocados no mesmo recinto: nas assembleias do Bloco de Lutas pelo Transporte Público de Porto Alegre lá estavam lá como se nada tivesse acontecido. Além de estarem também G.M. (que lançou um extintor de incêndio nas mulheres do Barricadas) e demais militantes que também as agrediram no momento de denúncia na fatídica festa do DCE no ano passado.

Em abril, as eleições para o DCE da PUCRS definiram mais um momento bizarro àqueles que dizem-se ser os que levantam a bandeira dos direitos humanos. Na chapa do PSOL/PCR na PUCRS lá estava um dos agressores como candidato..

Mesmo com todas as denúncias feitas pela oposição, ainda se propagava a mentira que queria ser verdade: “que emboscada?”

O PSOL, que nasceu para ser diferente, adota as mesmas práticas nas quais criticam.

Se acobertam “simples” agressores em suas fileiras, o que será que irão fazer quando assumirem o poder e ocorrer algum desvio de conduta com dinheiro público?

Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço.

É PSOL. Quem te viu quem te vê.

Gilmar Mendes será testemunha de defesa de Eliseu Padilha em ação que apura irregularidades na ULBRA.

Presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Gilmar Mendes, durante cerimônia de sanção da Lei que disciplina o processo e julgamento do mandado de injunção individual e coletivo. Brasília-DF, 23/06/2016 Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

Presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha e Gilmar Mendes, durante cerimônia de sanção da Lei que disciplina o processo e julgamento do mandado de injunção individual e coletivo. Brasília-DF, 23/06/2016
Foto: Roberto Jayme/Ascom/TSE

O Ministro do STF, Gilmar Mendes, foi arrolado como testemunha de defesa do atual Ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que é réu em ação civil pública por improbidade administrativa, na qual é acusado de receber R$ 3,9 milhões para usar o mandato de deputado na prestação de favores políticos à Universidade Luterana do Brasil – ULBRA.

A defesa de Padilha alega que Gilmar Mendes “tem conhecimento pessoal dos fatos discutidos e poderá prestar esclarecimentos essenciais para o julgamento da causa.”

A pergunta que não quer calar é: o que será que um Ministro do STF poderá saber, enquanto pessoa física, sobre supostas irregularidades na ULBRA cometidas pelo braço direito do Presidente Interino Michel Temer?

Essa é a dúvida que fica.

A tendência é que o Gilmar Mendes seja ouvido no mês de agosto, por videoconferência.

Abaixo, segue o pedido formulado pela defesa e o despacho do Juiz da 2ª Vara Federal de Canoas – RS deferindo o pedido da oitiva.

Pedido de oitiva – Eliseu Padilha

Evento 156 – DESPADEC1 Eliseu Padilha

 

Satanistas: coloquem seus símbolos nos Tribunais.

Satanistas

Símbolo satânico. buuuuuuuuu

No último mês de maio, o CNJ revogou a decisão do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que havia determinado a retirada de símbolos religiosos nos prédios do Poder Judiciário, em especial os crucifixos que representam o cristianismo.

Não bastasse todo o malabarismo jurídico de tentar justificar o injustificável para manter símbolos religiosos em qualquer prédio público, o Poder Judiciário demonstra extremo mau gosto em manter esses símbolos, em especial os crucifixos, exatamente por uma questão óbvia: pela doutrina cristã, Jesus foi condenado injustamente e não fica legal ostentar o símbolo de uma “injustiça” em um lugar onde é dever prosperar a Justiça.

A decisão do CNJ afirma que não ofende a laicidade a presença de crucifixos ou qualquer outros símbolos religiosos nos Tribunais pátrios. Então, sendo assim, sugiro aos satanistas que espalhem seus símbolos pelas Cortes nacionais.

Não só os satanistas, mas os ateus, judeus, muçulmanos, os pastafarianos, rastafaris e etc espalhem seus símbolos nacionais país afora.

Imaginem Jesus e Lúcifer representados lado a lado. Imaginou? Pois é, absurdo.

Por isso que não se deve ter símbolo religioso algum em qualquer órgão público.

Respeitem o Estado Laico.

Meus queridos haters

thales entrevistaEsse blog tem uma “linha editorial”: é de esquerda, da linha mais light até radical. Minha posição política é muito clara e não faço qualquer questão de esconder isso. Não me julgo nem de perto como imparcial, pois tenho um lado bem definido.

Acredito que a maioria dos leitores que muito me honram com sua visita entendem isso, pois vejo que os comentários feitos nesse blog são, geralmente, de uma opinião qualificada. Tanto os de apoio, quanto os de crítica.

Não acho que sou o dono da verdade e não tenho a menor pretensão de ser, apenas dou um ponto de vista que acho correto e qualquer um tem o direito de criticar ou concordar. Aliás, essa é minha intenção.

Mas me dou o direito de exercer a moderação dos comentários, pois nossos amados haters vem em peso por aqui destilar ódio e ofensas, principalmente quando é algo relacionado ao Van Hattem.

Dito isso, adoro ler esse comentários de ódio que vem dos seus defensores, que são campeões em criticar o instrumento da crítica, no caso os blogs e os blogueiros, mas não conseguem formular nada, nem um só contraponto à crítica em si.

Aliás, nada mais natural. De onde não se esperada nada…

Então, em homenagens a esses meus queridos haters, começarei aqui a postar os seus fundamentados comentários, e farei menção especial ao grande “Peter Facero”, certamente um eleitor do Van Hattem, que me proporcionou grandes gargalhadas pelo seu nível intelectual.

Peter
peter_facero@hotmail.com
177.107.162.66
Dai vem um imbecil que nem esse Thales, zé droguinha achar que sabe mais que o Marcel, que tem 15 vezes mais estudos, vai fumar sua maconha e dar seu cu quieto, seu verme de bosta

Por favor haters, cheguem mais. Adoro vocês, de coração.

Me sinto como Chico Buarque ao ler os comentários na internet.

 

 

Acredite: Marcel Van Hattem (PP-RS) quer criar uma lei que já existe.

marcel-van-hattem

Marcel Van Hattem em seu material de campanha.

Talvez não tenha existido na história do nosso Estado alguém como ele, uma figura de uma verborragia ímpar, que adora falar de corrupção, mas faz parte do partido com maior número de participantes no esquema da Lava-Jato. É o nosso “Bolsonarinho”.

Aliás, Van Hattem este que recebeu dinheiro para sua campanha de um dos investigados da Lava-Jato, conforme noticiou esse blog no ano passado.

Veja aqui: http://blogdothales.sul21.com.br/2015/03/petrobras-deputado-marcel-van-hatten-pp-rs-recebeu-r-20-mil-de-investigado-da-lista-do-janot/

Evidentemente que isso não o implica em nenhum esquema de corrupção, mas fazer parte do partido mais corrupto do Brasil enquanto brada contra a corrupção, não parece lhe incomodar.

Aliás, o deputado é dado a polêmicas.

Há cerca de dez anos, o deputado se envolveu em um acidente de trânsito no qual vitimou fatalmente o Sr. Adair Wiest e foi condenado na justiça cível a indenizar sua família.

http://www.sul21.com.br/jornal/familia-vai-a-assembleia-cobrar-apuracao-sobre-morte-do-pai/

E aqui vale ressaltar o depoimento da filha da vítima, dado à Rádio Guaíba, sobre o acidente:

“Ele não nos procurou mais, disse que não podia ajudar e nem acionar o seguro do carro porque ele não foi o culpado, que meu pai que teria invadido a pista e que, por isso, ele teria atropelado meu pai. Não prestou nenhum auxílio. Na época eu não trabalhava, eu tinha 17 anos, meu irmão era menor (tinha 12 anos). A gente vendeu o que tinha e o que não tinha dentro de casa. Precisávamos de fralda e de óleo. Quantas vezes fomos conversar com o Marcel e ele prometia que ia ajudar e não ajudou. Nem visitar meu pai ele foi. Meu pai ficou em coma quase sete meses. Por quase três meses o pai ficou em um lar, porque o hospital não tinha mais o que fazer. Então, é como se tivesse que esperar ele acordar. Ele teve traumatismo craniano. Mandaram ele embora. A casa era um valor absurdo. Fomos conversar com o Marcel. Ele nem bola”, desabafou Adane.”

http://www.radioguaiba.com.br/noticia/deputado-van-hattem-pode-pagar-ate-r-1-milhao-em-indenizacao-por-atropelamento-com-morte/

Não sei se esses fatos acima ocorreram ou não, até que ponto questões subjetivas ganharam um peso a mais nesse desabafo, mas a verdade, aparentemente, é que o parlamentar deixou a família ao desamparo mesmo tendo sido considerado culpado pelo acidente, de acordo com as duas instâncias da Justiça gaúcha. O caso está em Brasília.

O deputado que brada pela ética diz que não tem culpa no acidente e imputa ao falecido a responsabilidade por sua própria morte. Então, se o deputado jura que é inocente, talvez o problema esteja em sua assessoria jurídica, que não está lhe prestando o apoio que deveria.

Assessoria essa que parece continuar pregando uma peça no garoto.

Hoje pela manhã fui surpreendido com a notícia de que o Deputado Van Hattem adentrou no campo do populismo penal midiático, ao apresentar um PL junto a Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul para determinar que os presos trabalhem e paguem a sua “estadia” no sistema prisional.

Não bastasse a gritante e manifesta inconstitucionalidade do referido PL, pois como trata de Direitos e Garantias Fundamentais e de matéria penal, essa matéria legislativa é de competência privativa da União, o Deputado simplesmente quer criar uma lei que já existe dentro da Lei de Execuções Penais, em seu art. 29. Vejamos:

Art. 29. O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do salário mínimo.

§ 1° O produto da remuneração pelo trabalho deverá atender:

a) à indenização dos danos causados pelo crime, desde que determinados judicialmente e não reparados por outros meios;

(…)

d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com a manutenção do condenado, em proporção a ser fixada e sem prejuízo da destinação prevista nas letras anteriores.

Como bem lembra o Juiz da VEC de Porto Alegre, Dr. Sidnei Brzuska, em seu Facebook: Não é muito mais fácil cumprir a Lei Federal que está em vigor há 32 anos?? E ainda recorda o Magistrado que alimentos e itens de higiene são levados aos apenados pelos seus familiares, em sua maioria, o que acaba desonerando o Estado.

Disso tudo, chego a duas conclusões sobre todo esse estardalhaço populista que o Van Hattem faz em cima desse PL: ou tá muito mal assessorado ou fez isso de propósito, para jogar para a torcida.

Ou os dois.